Pesquisar

domingo, 26 de janeiro de 2020

SÃO JERÔNIMO DA SERRA: Traficante com três mandados de prisão em aberto é preso pela PM.

Os policiais militares Tiago e Pedroso, com o apoio da PM de SC do Pavão, realizaram a prisão de dois indivíduos na Rua Augusto Lopes, próximo a piscina em SJ da Serra. 

Após várias denúncias anônimas de que naquele local havia grande movimentação de pessoas e veículos, e forte comercialização de substâncias entorpecentes, os referidos policiais realizaram diligências no local, quando um dos suspeitos tentou se evadir, sendo constatado que se tratava de um traficante da cidade de Ibiporã, contra quem havia três mandados de prisão em aberto. 

O suspeito foi preso, juntamente com outro elemento que se encontrava no local. Além dos dois suspeitos, havia também algumas adolescentes provenientes de outras cidades, sendo acionado o Conselho Tutelar para encaminhar as referidas adolescentes para seus locais de origem. 

Foram apreendidos eppendorfs contendo cocaína, além de maconha e dinheiro. O local onde estavam os suspeitos já é bem conhecido dos policiais, pois já foram realizadas várias prisões e operações naquele local. Com as prisões, os moradores passam a ter um pouco mais de tranquilidade. 

Resta o responsável pelo imóvel checar melhor a procedência de indivíduos que alugam o local para o tráfico de drogas. Os suspeitos foram encaminhados a Delegacia de Polícia de SJ da Serra, onde foi lavrado o flagrante. 

Parabéns aos policiais que atuaram nessa ocorrência!!!

Gazeta Sjs

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Inserção da Rota do Sonho Lindo nas regiões turísticas do Paraná se torna lei

A Rota Sonho Lindo, uma rota de turismo rural formada por 48 atrações distribuídas em 13 circuitos em 39 municípios, está oficialmente nas Regiões Turísticas do Norte, do Norte Pioneiro e do Vale do Ivaí.
Um projeto de lei de autoria do deputado estadual Cobra Repórter (PSD) se tornou na lei 20042/19, sancionada em novembro de 2019 pelo governador Ratinho Junior e instituiu a Rota do Sonho Lindo nas regiões turísticas do Paraná.
Integrante da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado Cobra Repórter é um dos maiores apoiadores do turismo regional e religioso do Paraná. Em seu mandato, já apresentou e aprovou projetos de lei que incluem nos roteiros turísticos e no calendário oficial de eventos, rotas turísticas e festas religiosas.
" A inclusão da Rota Sonho Lindo tem o objetivo de fortalecer o roteiro, fomentar o desenvolvimento regional, proporcionar a geração de empregos e movimentar o comércio e a indústria dos municípios participantes. Além disso, é uma oportunidade de valorizar a cultura e a história locais”, afirmou.
Os integrantes da Rota Sonho Lindo, João Gouveia Cezar e Denise Fertonani Araujo, estiveram na quarta-feira (22), com o deputado estadual Cobra Repórter em Londrina e agradeceram ao deputado pelo empenho na inclusão da Rota no roteiro turístico do Paraná.
A Rota Sonho Lindo é composta por 48 atrações turísticas, culturais e naturais localizadas nos seguintes municípios: Alvorada do Sul, Andirá, Arapongas, Apucarana, Assaí, Bandeirantes, Cambará, Cambé, Carlópolis, Centenário do Sul, Congonhinhas, Cornélio Procópio, Grandes Rios, Ibaiti, Ibiporã, Itambaracá, Ivaiporã, Jaguapitã, Londrina, Marilândia do Sul, Maringá, Mauá da Serra, Nova Fátima, Ortigueira, Porecatu, Ribeirão Claro, Rolândia, Sabáudia, Santa Mariana, Santo Antônio da Platina, São Jeronimo da Serra, São Sebastião da Amoreira, Sapopema, Sertaneja, Sertanópolis, Siqueira Campos, Tamarana, Tomazina, Uraí.
A Rota é integrada por 13 municípios do Norte, Norte Pioneiro e do Vale do Ivaí, possuindo os seguintes circuitos temáticos: Circuito das Águas; Circuito Pé de Serra; Circuito Pioneiros; Circuito de Aventura; Circuito Terra Viva; Circuito do Agronegócio; Circuito Nipo Brasileiro; Circuito Ouro Verde; Circuito Gastronômico Cultural; Circuito de Compras; Circuito Pedagógico; Circuito Receptivo e Circuito Turismo Rural.
Por Assembleia Legislativa do Estado do Paraná, 

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Casa do prefeito de Santa Cecilia do Pavão é invadida e o mesmo é agredido

Na madrugada desta segunda feira (30) dois homens encapuzados invadiram a casa do prefeito Edimar Santos de Santa Cecília do Pavão, segundo informações um deles estava armado, na casa estavam o prefeito e sua esposa que foi trancada no banheiro e o prefeito amarrado na cama onde em seguida começaram agredi-lo e ameaça-lo de morte, o prefeito Edimar conseguiu se soltar e se defender segundo o mesmo logo apos foi atingido por uma mesinha e desmaiado. A PM foi acionada fez diligências mas não encontrou os suspeitos, o caso sera investigado pela polícia.

O prefeito Edimar Santos foi encaminhado para a Santa Casa de Cornélio Procópio para realização de exames e passa bem. 

Mulher é morta menos de uma semana após sair da cadeia em São Jerônimo da Serra

Uma mulher foi assassinada a tiros perto das 22h deste domingo (29) na Estrada Juca Mingote, em São Jerônimo da Serra. Ela foi identificada como Ana Cláudia Simão e tinha 20 anos. Segundo a Polícia Militar, a vítima foi baleada e morreu no local. Ainda não há nenhuma pista de suspeitos, que não foram encontrados. 

Na madrugada do dia 21 de dezembro, a jovem foi detida com um adolescente na frente de um bar localizado na rua José Batista Proença, no mesmo município. A PM foi até o endereço depois de suspeitar que os dois estavam vendendo droga perto do estabelecimento. Embaixo da cadeira onde estavam sentados, os policiais apreenderam porções embaladas de maconha e cocaína. A mulher, que foi autuada por tráfico de drogas, foi solta. Apesar de solta, ela teria que comparecer ao Fórum, não frequentar bares entre outros e não sair da cidade sem comunicar a Justiça. 

A Polícia Civil instaurou inquérito para investigar o assassinato.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Plenário da Câmara acata processo de cassação contra o prefeito Ricardo Mello e seu vice Laércio Correia

Com 9 (nove) votos favoráveis, a Câmara de São Jerônimo da Serra abriu nesta quarta feira (04) uma Comissão Processante que investigará acerca  o prefeito Ricardo Mello e seu vice Laércio Correia acerca da deflagração da Operação De Jà Vú, ocorrida no dia 16 de outubro que investiga um esquema para fraudar licitações municipais. Segundo as investigações, a prefeitura adquiriu uma quantidade de produtos acima do necessário ou itens desnecessários, sobretaxou os valores ou simplesmente fez licitação para justificar a aquisição ilegal de produtos.

A investigação será conduzida pelo vereador Elison Marcelo Scerbo, eleito presidente da Comissão Processante. Sebastião Rodrigues de Lima, escolhido relator, e Jose Jacir de Sampaio completam o grupo. Os nomes foram sorteados em plenário hoje, logo após a denúncia ter sido acatada pelos vereadores. Como a denúncia foi entregue à Comissão Processante, eles têm 10 (dez) dias para notificar os denunciados para que apresentem defesa prévia.



Entenda o caso: 

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) afirma que o prefeito de São Jerônimo da Serra, no Norte Pioneiro do Paraná, João Ricardo de Mello (PPS), preso nesta quarta-feira (16), chefiava o esquema que fraudava licitações municipais. “O prefeito está no ápice da pirâmide, nada acontecia sem ele saber, sem ele dar anuência. O prefeito tem total participação nos crimes”, pontuou o promotor Jorge Barreto.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, nesta quarta-feira (16), uma operação contra suspeitos de participar de um esquema que fraudou licitações. O prefeito e mais sete foram presos preventivamente, que é por tempo indeterminado.

Segundo as investigações, a prefeitura adquiriu uma quantidade de produtos acima do necessário ou itens desnecessários, sobretaxam os valores ou simplesmente faziam uma licitação para justificar a aquisição ilegal de produtos.

O vice-prefeito Laércio Pereira Correia, a secretária de Saúde e um servidor também foram afastados dos cargos por determinação da Justiça. Correia chegou a ser preso em flagrante por posse ilegal de arma, pagou fiança e foi liberado momentos depois.
O advogado que informou que representa o prefeito e o vice-prefeito disse que só vai se manifestar após ter acesso ao processo.

"Já visto"
A ação, que foi batizada de “Dejá Vù”, está cumprindo 43 mandados de busca e apreensão em residências, empresas de suspeitos de envolvimento no esquema, prefeitura e secretarias municipais de São Jerônimo da Serra.

Além de São Jerônimo da Serra, os mandados são cumpridos em Curitiba, Londrina, Cambé, Cornélio Procópio, Assaí, Cruzmaltina e Nova Santa Bárbara.
O promotor Jorge Barreto diz que a organização criminosa passou a agir em 2014 depois do Ministério Público deflagrar a Operação Sucupira.

Na ocasião, as investigações mostraram que um grupo, que era composto pelo prefeito da época, contratou ilegalmente empresas para desviar recursos públicos da prefeitura. Foram denunciadas 39 pessoas e o prefeito foi cassado.

João Ricardo de Mello (PPS), que era vice-prefeito em 2014, assumiu a chefia do Executivo Municipal, foi eleito pela população em 2016, mas, conforme o MP-PR, continuou a operar o mesmo esquema.

“Estamos diante de um quadro de realização de licitações para aquisições de peças automotivas, produtos hospitalares e outros objetos de forma ilegal. O esquema era o mesmo de 2014”, detalhou o promotor Jorge Barreto.

Entre os produtos comprados pelo município, estão peças automotivas, o MP descobriu que em alguns casos esses itens não eram entregues ou se eram entregues não eram substituídos, pilhas para a Secretaria Municipal de Saúde e produtos diversos para a secretaria Municipal de Educação.

Vice-prefeito investigado

O promotor Jorge Barreto explica que o vice-prefeito não foi preso, mas o afastamento foi autorizado pela Justiça porque Correia dava anuência ao que acontecia na prefeitura.
“Ele não determinava diretamente um acordo, mas tinha conhecimento. É a mesma situação da secretária municipal de Saúde, ela também tinha conhecimento do esquema”, acrescentou.

O Ministério Público afirma que os investigados devem responder pelos crimes de organização criminosa, peculato, corrupção e fraude a licitações.

sábado, 30 de novembro de 2019

TJ-PR revoga prisão de prefeito de São Jerônimo da Serra


A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) revogou, na quinta-feira (28), a prisão do prefeito de São Jerônimo da Serra, no Norte Pioneiro do Paraná, João Ricardo de Mello (PPS).

Na decisão assinada pelo desembargador Laertes Ferreira Gomes, Mello será monitorado por tornozeleira eletrônica.

O prefeito foi preso no dia 16 de outubro durante a deflagração da Operação De Jà Vú, que investiga um esquema para fraudar licitações municipais. Segundo as investigações, a prefeitura adquiriu uma quantidade de produtos acima do necessário ou itens desnecessários, sobretaxou os valores ou simplesmente fez licitação para justificar a aquisição ilegal de produtos.

Na época da ação, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) disse que as irregularidades só ocorriam com anuência de João Ricardo de Mello.

No início de novembro, o prefeito foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por organização criminosa e 53 crimes de responsabilidade, por apropriação de dinheiro público.

O chefe do Executivo Municipal estava preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais. No mesmo dia da prisão, a Justiça determinou que ele fosse afastado do cargo por tempo indeterminado.

Conforme decisão da 2ª Vara Criminal, Mello deverá comparecer em juízo a cada 15 dias, está proibido de entrar na prefeitura e de manter contato com os investigados na operação, deve ficar em casa durante a noite e será monitorado por tornozeleira eletrônica. Ainda foi determinado o pagamento de R$ 9.980 de fiança.

O advogado Maurício Carneiro, que defende João Ricardo de Mello, disse que durante o julgamento do recurso foram apresentadas provas que comprovam que o prefeito não tem envolvimento no esquema. "Apresentamos, por exemplo, contas de luz da casa do prefeito que estão atrasadas para mostrar que o ele não tem condições financeiras para pagar as contas básicas. Se estivesse envolvido em algum esquema para desviar dinheiro, a situação seria outra. João de Mello não participou de nenhum esquema criminoso", afirmou que o advogado.

Do G1Pr