Pesquisar

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

OPERAÇÃO “PENTE-FINO” NA CADEIA PÚBLICA DE SÃO JERÔNIMO DA SERRA


Nesta data de 12 de fevereiro de 2019, por volta das 09:00 horas, foi realizada uma operação pente-fino na galeria inferior, que teve a participação a equipe do SOE (Seção de Operações Especiais) - Depen, Polícia Civil de São Jerônimo da Serra, bem como agentes de cadeia de Cornélio Procópio, ocasião em que foram encontrados e apreendidos 12 (doze) aparelhos celulares, bem como vários carregadores, algumas baterias avulsas e alguns “estoques”.

Vale ressaltar que a operação teve como objetivo o restabelecimento das condições prisionais do ergástulo público, não sendo possível identificar de quem seriam os aparelhos celulares localizados, em razão da quantidade de detentos, tendo em vista que o SECAT já conta com 29(vinte e nove) detentos, onde há capacidade para apenas 8 (oito).

De acordo com O delegado Titular da 33ª Delegacia Regional de Policia de São Jerônimo da Serra, Dr. Flávio Junqueira “o apoio da equipe do SOE e demais agentes de cadeia foi imprescindível para que pudéssemos realizar essa operação e promover a retirada do interior das celas os objetos ilícitos, bem como o restabelecimento do bom andamento da cadeia pública, agradecemos o empenho e o profissionalismo de todos”. 

A Polícia Civil de São Jerônimo da Serra, segue na sua luta incansável pela manutenção da ordem e da segurança de todos.

GazetaSJS

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Secretário de Esportes e Cultura de São Jerônimo da Serra foi solto nesta quarta-feira (6)

O secretário de Esportes e Cultura de São Jerônimo da Serra, Haildo Rodrigues Martins, foi solto nesta-quarta feira (06).

Haildo Martins havia sido preso preventivamente na ultima segunda-feira (4) suspeito de emitir documentos falsos.

Mais informações a qualquer momento......

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Secretário de Esportes e Cultura de São Jerônimo da Serra é preso pelo Ministério Público


O secretário de Esportes e Cultura de São Jerônimo da Serra, Haildo Rodrigues Martins, foi preso preventivamente suspeito de emitir documentos falsos nesta segunda-feira (4).

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) disse que a prisão ocorreu porque Martins, que cumpria pena em regime aberto por crimes cometidos em 2014, voltou a incorrer nas mesmas práticas criminosas.

Há cinco anos, Haildo Martins foi preso em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) por integrar uma quadrilha que cometia fraude em vendas de imóveis.

As investigações apontaram que ele usava um cartório distrital, onde era tabelião, para esquentar documentos. Foi condenado por esse crime.

O promotor de São Jerônimo da Serra, Danillo Paz Leme, disse que surgiram indícios de que ele voltou a emitir documentos falsos. Foram feitas buscas na residência e em um escritório do secretário, com apreensão de cinco computadores e diversos documentos.

O MP-PR informou que ele pode ser indiciado por crimes como falsidade ideológica, estelionato e falsificação de documentos públicos.

O MP pede que pessoas que tiveram documentos emitidos em nome de Haildo Martins procurem a promotoria de São Jerônimo da Serra ou da comarca onde residem porque podem ser considerados nulos.

A defesa do secretário de Esportes e Cultura informou que ainda não teve acesso ao processo, e que só depois vai avaliar as medidas a serem tomadas. O advogado adiantou que o secretário nega todas as acusações.


Do G1 PR

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Comissão de indígenas é recebida no Palácio Iguaçu

O chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o secretário da Comunicação Social e Cultura, Hudson José, receberam nesta quinta-feira (31) representantes de tribos indígenas do Paraná. No dia nacional de manifestação em defesa dos índios, os integrantes do governo paranaense anunciaram a criação de uma comissão do Estado para interagir com os povos indígenas.

Guto Silva afirmou que o governo Ratinho Junior está aberto a ouvir e contribuir para o desenvolvimento dos índios que vivem no Estado. “O diálogo é o melhor instrumento para isso”, destacou ele. “Vamos, juntos, criar uma agenda construtiva, com transparência e trabalho integrado”.

O trabalho da comissão será ouvir reivindicações, identificar problemas e buscar soluções, além de verificar os programas do Estado que precisam ser levados às tribos, como saúde, moradia e educação. “Esse é um ato histórico”, afirmou o cacique Vagner Almeida, da tribo Guarani-Nhandewa, ao comentar a decisão do Estado de estabelecer um diálogo permanente com os povos indígenas. Segundo ele, nesta quinta, dia de mobilização nacional pelos índios brasileiros, o governo paranaense dá um passo importante para contribuir com a preservação das etnias e cultura indígena.

Povos indígenas de 19 estados brasileiros convocaram para esta quinta-feira o protesto nacional em defesa dos direitos constitucionais.
APOIO - A Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho cedeu um micro-ônibus para que 20 representantes do movimento indígena do Litoral do Paraná viessem a Curitiba, nesta quinta-feira (31), para a campanha nacional “Sangue Indígena, nenhuma gota a mais” e da mesa de diálogo sobre os direitos dos povos indígenas, promovida pelo Ministério Público do Paraná.
“Através do Conselho dos Direitos dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais do Estado do Paraná, vamos priorizar a garantia de direitos e aumentar o diálogo com a população indígena”, afirmou o secretário da pasta, Ney Leprevost.
Pela manhã, os índios estiveram reunidos na Praça Santos Andrade em mobilização pelos direitos indígenas. A campanha nacional é coordenada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), entidade que reúne organizações regionais como a Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme), Conselho do Povo Terena, Articulação dos Povos Indígenas do Sudeste (Arpinsudeste), Articulação dos Povos Indígenas do Sul (Arpinsul), Grande Assembleeia do Povo Guarani (Aty Guasu), Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) e Comissão Guarani Yvyrupa.
Durante a tarde, em mesa de diálogo, foram discutidos os direitos dos povos indígenas do Estado do Paraná e as principais demandas, como a implementação dos direitos indígenas previstos na Constituição Federal, especialmente a demarcação das terras e o combate à violência.
AEN

Bandidos explodem caixas eletrônicos em Congonhinhas

A explosão na agência do Sicredi de Congonhinhas, 100 km de Londrina, ocorreu por volta das 4h desta sexta-feira (1). Segundo a Polícia Militar, 3 homens armados chegaram ao banco em um carro preto, quebraram a porta principal com uma marreta e tiveram acesso a área dos caixas eletrônicos. Os bandidos explodiram as duas máquinas com dinamite. Foram duas detonações, com intervalo de 1 minutos entre elas. A agencia ficou destruída. 
Notas ficaram espalhadas pelo chão da agência e há a suspeita que os criminosos tenham conseguido levar parte dinheiro que estava nos equipamento. O montante não foi divulgado. Havia também sangue no chão. De acordo com a polícia um dos bandidos pode ter ficado ferido durante as explosões.
A PM já teve acesso às imagens de câmeras de segurança de casas e lojas que ficam próximos ao banco. Até agora ninguém foi preso, mas ao menos 15 equipes estão fazendo buscas aos criminosos.

A agência do Sicredi, alvo dos bandidos, fica na rua principal, centro da cidade e muitos moradores foram acordados com o barulho das explosões.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Chuva e ventos fortes causam estragos no município de Figueira

Forte temporal atingiu a cidade de Figueira, na tarde desta quinta-feira, 31 de janeiro de 2019.

A forte chuva começou por volta das 17h30min, acompanhada por fortes ventos, derrubando árvores e fazendo estragos em vários locais da cidade, entre elas, uma quadra que estava coberta foi toda ao chão, atingindo casas e carros, felizmente não feriu ninguém.

A população ficou assustada com o forte temporal, além dos estragados que ficou em algumas partes da cidade. A cidade ficou algumas horas sem energia elétrica, árvores caídas, casas descobertas, a cobertura de quadra de esportes totalmente destruída, vindo a cair por cima de carros e residências.

O estrago foi grande no município.






Informações e fotos do http://www.portalcuriuva.com

Concedida liberdade ao ex-governador Beto Richa; salvo-conduto evita nova prisão

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, deferiu liminar em recurso em habeas corpus e determinou a libertação imediata do ex-governador do Paraná Beto Richa, preso desde 25 de janeiro.
Na mesma decisão, o ministro expediu uma ordem de salvo-conduto em favor de Beto Richa e do seu irmão José Richa Filho para que eles não sejam presos cautelarmente no âmbito da Operação Integração II, exceto se demonstrada, concretamente, a presença de algum dos fundamentos admitidos pela legislação processual para a decretação de tal medida.
O recurso em habeas corpus foi interposto pela defesa em decorrência das Operações Piloto e Integração II, de competência da 23ª Vara Federal de Curitiba. O entendimento da primeira instância é que a prisão era necessária por conveniência da instrução processual, tendo em vista suspeitas de ações para dissuadir uma testemunha do caso.
A Operação Piloto investiga a suposta participação de Beto e José Richa em um esquema de recebimento de propina do Grupo Odebrecht, e a Operação Integração II apura suposta participação, entre 2011 e 2014, em um esquema criminoso que teria beneficiado empresas concessionárias de rodovias no Paraná.
Segundo o ministro João Otávio de Noronha, não há, no caso, qualquer fundamentação apta a justificar a decretação da prisão preventiva contra o ex-governador.
“Nada de concreto foi demonstrado que se prestasse a justificar a necessidade de proteger a instrução criminal e, com isso, justificar a preventiva decretada”, afirmou Noronha.
Fatos antigos
O ministro citou trechos do decreto prisional que mencionam atos supostamente praticados pelo ex-governador nos anos de 2011 e 2012. A situação fática, de acordo com o presidente do STJ, mudou completamente.
“Os fatos remontam há mais de sete anos e, além disso, a realidade é outra, houve renúncia ao cargo eletivo, submissão a novo pleito eleitoral e derrota nas eleições. Ou seja, o que poderia justificar a manutenção da ordem pública – fatos recentes e poder de dissuasão – não se faz, efetivamente, presente.”
À luz dos elementos constantes no processo, disse Noronha, a prisão “mostra-se assaz precipitada e desprovida de embasamento fático”. Segundo o ministro, em momento algum se mostrou ação de Beto Richa destinada a influenciar testemunhos, corromper provas ou dificultar diligências.
Após parecer do Ministério Público Federal, o mérito do recurso em habeas corpus será julgado pela Sexta Turma, sob relatoria da ministra Laurita Vaz.
Leia a decisão.

Informações: http://www.stj.jus.br