Pesquisar

quarta-feira, 18 de abril de 2012

PF fecha em Sapopema maior fábrica clandestina de cigarros do país

  • Pauline Almeida
A Polícia Federal (PF) de Londrina fechou a maior fábrica clandestina de cigarros do país, na manhã desta terça-feira (17). O estabelecimento, localizado na zona rural de Sapopema (121 km de Londrina), foi descoberto depois de quatro meses de investigação e troca de informações com a PF das fronteiras.
O delegado responsável pela operação, Elvis Secco, contou que foram necessárias cerca de duas semanas de vigília constante na região de Sapopema para encontrar o local exato da fábrica.
"A PF empreendeu diversas diligências de campo, vigilância, verificação de estradas rurais. Chegamos a essa região através de suspeitas de movimentação de caminhões pesados, o que não é comum naquela região, e também pelo barulho constante, à noite principalmente, que aparece muito no silêncio da área rural", contou.
No momento do estouro do empresa clandestina, acredita-se que dez pessoas estavam no local, mas seis conseguiram fugir, possivelmente se refugiando em um espaço de mata fechada.
Apenas quatro paraguaios, que cumpriam trabalho escravo, foram encontrados. Eles eram aliciados no país de origem e eram levados para a fábrica. Já nas proximidades da propriedade, as vítimas eram encapuzadas para que não soubessem reconhecer o caminho, o que lhes impedia de fugir ou contar para outras pessoas a localização.
Segundo Elvis Secco, os paraguaios foram interrogados na noite desta terça-feira (17), receberam a notificação para que deixassem o país e acabaram deportados.
Logística
A fábrica é o maior empreendimento clandestino de fabricação já descoberto no país. Com maquinários de grande porte, ela conseguia produzir cerca de 100 caixas de cigarro, que imitavam marcas paraguaias, por hora. O produto era vendido em todo o país, especialmente no Estado de São Paulo, e trazia lucros milionários.
Para não não ser descoberta através da alta utilização de energia elétrica, a empresa usava um gerador próprio movido a óleo diesel. Toda a matéria-prima era trazida do Paraguai. A Polícia Federal parte agora para a investigação dos responsáveis pelo esquema e ainda não divulgou nenhum nome de supostos envolvidos.
Os acusados podem ser indiciados por contrabando e descaminho, crimes contra a saúde pública, falsificação de selos públicos, sonegação fiscal, redução de indivíduos à condição análoga de escravos e formação de quadrilha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia