Pesquisar

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Japonês paga R$ 1,5 milhão por virgindade de brasileira

Mais de R$ 1,5 milhão. Esse foi o lance vencedor no leilão da virgindade de Catarina Migliorini, de 20 anos. A disputa terminou nesta quarta-feira, às 9h. Natsu, o japonês que venceu a disputa, ofereceu US$ 40 mil a mais que o segundo colocado e enviou o lance algumas horas antes do prazo final. Enquanto isso, Catarina (cujo o nome de batismo é Ingrid) segue em Bali na Indonésia, onde está há quase dois meses, e aproveita o tempo com diversões simples. Marca presença diariamente em uma praia paradisíaca, conversa com pessoas e turistas de todo o mundo e devora os livros que trouxe do Brasil. Na lista, nada de autores populares ou literatura de consumo rápido, como muitas pessoas poderiam concluir. Catarina, ao contrário, folheia as páginas escritas por grandes nomes, como Fiódor Dostoiévski, Ernest Hemingway e Albert Camus, além dos filósofos Sócrates, Rousseau e Séneca.
"Entrei nessa história de leiloar a virgindade também pela aventura, para conhecer lugares e culturas diferentes. Minha vida em Bali é muito boa. Estou em um daqueles hoteizinhos perto da praia, com bangalôs bem rústicos. É lindo", conta.
Catarina frisa que o leilão da virgindade nada tem a ver com qualquer dificuldade financeira. Pelo contrário. A catarinense avisa que a família sempre deu tudo o que precisa (e até mais) para viver bem. Antes de ir para a Ásia, se matriculou em uma faculdade de medicina na Argentina. Tinha tudo para seguir uma carreira conservadora e tradicional. A guinada na história veio de maneira despretensiosa. Catarina se inscreveu no site achando que não ia levar a nada. Em menos de um mês já havia sido selecionada, após trocar e-mails com a direção do site, realizar entrevistas por Skype e enviar alguns vídeos.
"A repercussão do meu caso no Brasil me surpreendeu bastante. Sei o que as pessoas estão falando, mas não estou nem aí. Nunca cogitei mudar de ideia", ressaltou.
Ela e o vencedor vão se conhecer 10 dias após o arremate final e embarcam (a partir da Austrália ou da Indonésia) em um jatinho particular rumo aos Estados Unidos. O ato será realizado em águas internacionais para evitar problemas com as leis australianas. "O que eu menos estou pensando é nesse momento", diz.
O destino do dinheiro também pouco preocupa. Catarina garante que não pensou nisso e nem sequer tem alguma expectativa do valor final. A ideia é usar parte dos recursos para si, mas também dedicar uma quantia para ajudar outras pessoas, principalmente aquelas que lutam para ter uma casa própria.
"Não faço ideia do que farei depois que o avião pousar nos Estados Unidos. Minha única vontade é passar o verão em Santa Catarina, como sempre faço", finaliza.
A mãe de Catarina, que prefere manter a identidade longe dos jornais, sabia desde o princípio da inscrição da filha no site, mas acreditava que tudo era uma brincadeira, sem maiores consequências. "Lembro dela rindo, dizendo que nunca seria selecionada", conta.
A confirmação de que a filha foi escolhida para entrar no leilão, no entanto, deixou a mãe chocada. Ela garante que foi surpreendida com a notícia e que, pela personalidade de Catarina, jamais imaginaria que fosse ter coragem de seguir com a proposta.
"Ela sempre foi diferente no comportamento. Nunca quis ter namorado, não era de ficar com ninguém na balada. Apenas saía para se divertir, nada sério. Não à toa, a pressão que as adolescentes sofrem para iniciar a vida sexual nunca surtiu efeito sobre ela. Pouco se importa com o que os outros falam ou pensam", comenta.
O pai, segundo ela, também foi surpreendido com o leilão (ficou sabendo apenas quando a filha estava na Austrália) e se preocupou com sua carreira e o fato de não ir para Buenos Aires estudar medicina. O pai não está falando sobre o assunto, mora em outra cidade, e é ainda mais discreto do que a mãe.
Desde que o leilão da virgindade veio a público, a rotina da mãe, que mora em Itapema, Santa Catarina, ficou praticamente inalterada. A única diferença são os telefonemas de jornalistas que a procuram para obter mais informações sobre o caso. Fora isso, a vida segue normal. Ela se diz uma pessoa reservada, que mora em apartamento e conversa pouco com os vizinhos. Tenta também se afastar de toda a repercussão. Leu alguns textos na internet, mas nada de passar horas olhando os comentários das redes sociais ou dar ouvidos para as fofocas das ruas. "Continua sendo a minha filhinha querida e amada. Nada mudou entre a gente", garante.

Agência Estado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia