Pesquisar

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Médicos de dez estados devem parar nesta terça contra o governo

Médicos de dez estados decidiram entrar em greve nesta terça-feira (23) para protestar contra recentes decisões do governo federal envolvendo a categoria, como o programa Mais Médicos, que prevê a contratação de profissionais estrangeiros para atuar no interior do país. O balanço parcial das unidades da federação onde os médicos deverão suspender as atividades foi divulgado pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam).
Cada associação estadual, no entanto, tem autonomia para decidir a extensão da paralisação, programada, por enquanto, somente para um dia. As entidades estaduais dos médicos pretendem parar novamente nos dias 30 e 31 de julho.Segundo a entidade, deverão aderir à paralisação profissionais do setor público e privado, incluindo planos de saúde, de Acre, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Norte. A orientação é para que o atendimento seja mantido somente em casos de urgência e emergência.
No Distrito Federal, os médicos não irão suspender as atividades, porém, os profissionais da rede pública irão vestir roupas, tarjas e laços pretos em protesto ao Executivo federal. Já os médicos do Rio de Janeiro irão decidir em assembleia na noite desta segunda (22) se aderem ao movimento.
Segundo a Fenam, os médicos fluminenses estão receosos de suspender o trabalho por conta da visita do Papa Francisco ao estado. O líder da Igreja Católica desembarcou nesta segunda ao Rio para participar da Jornada Mundial da Juventude.
A paralisação desta terça faz parte do calendário de greve estabelecido pela Fenam para registrar o descontentamento da categoria com o programa Mais Médicos e com os vetos parciais da presidente Dilma Rousseff à lei do Ato Médico, que determina atividades exclusivas aos profissionais da medicina. Além da greve desta terça,
De acordo com nota oficial divulgada pela Fenam, “caso não haja avanços no movimento”, a entidade poderá decretar greve por tempo indeterminado a partir de 10 de agosto, dia em que está agendada a última atividade das paralisações relâmpago.
G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia