Pesquisar

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Caciques e diretores de escolas debatem educação indígena no Paraná

Caciques e diretores das 37 escolas estaduais indígenas participam nesta quinta-feira (5) e sexta-feira (6),em Curitiba, do primeiro Encontro de Gestão Escolar com Caciques das Terras Indígenas do Paraná. Os líderes debaterão temas específicos da educação e cultura indígena no Estado.
Também serão escolhidos representantes para participar do Conselho Estadual dos Povos Indígenas e Povos Tradicionais. A reunião é realizada pela Secretaria de Estado da Educação, em parceria com a Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania e Direitos Humanos.
De acordo com o coordenador da educação indígena da Secretaria da Educação, Dirceu José de Paula, o encontro avalia o alcance das políticas púbicas implantadas pelo Governo do Estado. “Ao mesmo tempo ouvimos os caciques e diretores para sabermos onde estamos avançando e o que podemos melhorar”, explica o diretor.
O encontro, inédito na rede estadual de educação, vai proporcionar aos diretores e técnicos pedagógicos dos Núcleos Regionais de Educação instrumentos para a elaboração da proposta pedagógica que preserve a cultura indígena. “É o primeiro passo para construirmos um plano pedagógico para uma escola indígena que preserve e viva a cultura indígena”, lembra Renato Moraes, líder da terra indígena de Mangueirinha.
Para a diretora Nilza Maria Rodrigues, da Escola Estadual Indígena Tapé Aviru, em Campo Mourão, na região central do Estado, esse diálogo demonstra a atenção do Governo do Estado com os povos indígenas do Paraná. “Estávamos esperando esse debate há muito tempo. Com esse encontro poderemos trabalhar a educação indígena, ensinada dentro das comunidades, com o conhecimento científico. O governo estadual faz sua parte, dando estrutura e apoio para que esse trabalho seja desenvolvido dentro das comunidades indígenas no estado”, destaca a diretora.
Também será debatido o Plano de Ações Descentralizadas (PAD), Plano Nacional de Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) e o Processo de Seleção Simplificada (PSS).
REDE – A rede estadual de educação atende cerca de 4.500 alunos das etnias guarani, caingangue e xetá em 37 escolas distribuídas em 26 municípios. Desde 2011, o Governo do Paraná entregou 11 novas escolas indígenas. Outras duas estão em fase de conclusão em Paranaguá, no litoral, e em Inácio Martins, na região Centro Sul do Estado.
Em 2013, foram diplomados 66 formandos docentes indígenas, que estão lecionando na educação infantil das escolas indígenas de suas etnias. São 111 professores indígenas atuando em suas comunidades. “Hoje temos uma formação crescente de professores indígenas, com material escolar específico e novas escolas que estão aumentando a oferta da educação escolar indígena no Paraná. Isso demonstra o respeito e o empenho do governador Beto Richa com os povos indígenas”, conta Dirceu.
Todas as escolas indígenas no Paraná recebem semanalmente produtos frescos para a merenda escolar oriundos da agricultura familiar. Com mais variedade, escolas mantêm viva a culinária de suas comunidades através de pratos típicos que são preparados pelas merendeiras que também são indígenas.
JUSTIÇA - Serão escolhidos os dois representantes indígenas que vão participar do Conselho Estadual dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais. A lei sancionada pelo governador Beto Richa constitui no trabalho conjunto intersecretarial e outros órgãos do estado garantindo o acesso às políticas públicas a essas comunidades.
AE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia