Pesquisar

quarta-feira, 27 de junho de 2018

PRISÃO EM FLAGRANTE DE ASSALTANTES EM SÃO JERÔNIMO DA SERRA.

Policiais militares prenderam dois elementos maiores de idade e apreenderam um menor no Distrito de Terra Nova, em São Jerônimo da Serra-PR. Os suspeitos conduziam um veículo que havia sido roubado na Seção Paineira, Município de Assaí-PR na data de ontem (26/06), por volta das 21:00 horas. 

Após o roubo na propriedade rural da vítima Pedro Matsuo, os suspeitos vieram para São Jerônimo da Serra-PR e foram surpreendidos pelos policiais militares no Distrito de Terra Nova. O veículo da vítima foi recuperado e os suspeitos, após a lavratura do flagrante, serão encaminhados para a 34ª Delegacia Regional de Polícia de Assaí-PR. 

Tudo indica que os ladrões são da cidade de São Sebastião da Amoreira-PR, inclusive, um deles já esteve preso em São Jerônimo da Serra pelo roubo à lotérica da cidade.

Gazeta SJS

Beto Richa vira réu na Justiça Federal do Paraná por suspeita de aplicação irregular de verba na saúde

O ex-governador do Paraná e pré-candidato ao Senado, Beto Richa (PSDB), virou réu na Justiça Federal do Paraná nesta terça-feira (26). A decisão é do juiz Nivaldo Brunoni, da 23ª Vara da Justiça Federal em Curitiba.

A denúncia foi apresentada em junho de 2009 pelo Ministério Público Federal (MPF) - quando Richa era prefeito de Curitiba. Ele é acusado de desvio de finalidade na aplicação de verba federal de R$ 100 mil para reformar unidades de saúde entre 2006 e 2008.

Em abril, ao perder o foro privilegiado por deixar o Governo do Paraná, o processo contra Richa foi enviado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) à primeira instância. A decisão foi tomada pelo ministro Herman Benjamin.

Conforme o MPF, foi firmado um convênio com o Fundo Nacional de Saúde para reformar três unidades de saúde de Curitiba. Ainda segundo os procuradores, na prestação de contas de fevereiro de 2008 constava a execução de 26% das obras.

Tramitação


A denúncia do MPF, em junho de 2009, foi apresentada perando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) por "empregar subvenções, auxílios, empréstimos ou recursos de qualquer natureza, em desacordo com os planos ou programas a que se destinam".

A defesa e o MPF se manifestaram sobre o caso, mas quando Richa assumiu o governo estadual, em 2011, o TRF-4 declinou a competência ao STJ.
No STJ, a denúncia chegou em março de 2011. Em novembro, o ministro relator Cesar Asfor Rocha determinou o envio de ofício à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) solicitando autorização para processar o governador.
Um mês depois, o ministro Herman Benjamin assumiu a relatoria e reiterou o ofício à Alep. Sem resposta, em agosto de 2013, o ministro suspendeu a denúncia para evitar prescrição.
Já em novembro de 2014, o relator foi informado da decisão da Alep de negar a licença para o prosseguimento da ação.

Em maio de 2017, Benjamin informou que recebeu comunicação do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre decisão que não há necessidade de autorização da assembleia para que o STJ processe governadores.

O prazo para o governador se manifestar sobre a denúncia foi aberto em maio de 2017. Já em abril deste ano, o ministro declarou a incompetência para julgar o caso após a renúncia de Richa.

O que diz a defesa


Conforme nota da assessoria do PSDB, houve um equívoco do MPF ao denunciar Beto Richa que, segundo o comunicado, "limitou-se à assinatura de convênio para a reforma de unidades de saúde". "Na realidade, a verdadeira autora do erro foi uma servidora pública do município de Curitiba, que, na qualidade de fiscal do convênio, logo após o recebimento dos recursos federais, em data de 06/12/2006, resgatou a totalidade desses valores em proveito próprio", diz a nota.
A assessoria do PSDB informou que a servidora foi exonerada após a instauração de um processo administrativo disciplinar.

"Os valores do convênio foram integralmente ressarcidos à União e as unidades de saúde foram construídas e finalizadas com recursos exclusivos do município de Curitiba. Todas as contas foram julgadas irregulares", explica o comunicado.

Do G1Pr

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Inquérito contra Richa sai das mãos de Sérgio Moro

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aceitou, nesta quarta-feira (20), um pedido da defesa do ex-governador Beto Richa (PSDB) e retirou das mãos de Sérgio Moro um inquérito que investiga supostos repasses de recursos da Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014. Agora, o caso ficará apenas com a Justiça Eleitoral.
O inquérito tramitava no STJ e investigava repasses para campanhas de 2008, 2010 e 2014. Porém, em abril, quando Richa deixou o cargo para concorrer ao Senado e perdeu o foro privilegiado, o caso foi enviado ao Paraná. Parte do processo, referente às campanhas de 2008 e 2010, foi para a Justiça Eleitoral do estado.
Outra parte, referente à campanha de 2014, ficou a encargo de Moro, na primeira instância da Justiça Federal do Paraná. A divisão aconteceu por conta da suspeita de que houve caixa 2 e corrupção – Richa é suspeito de receber R$ 3 milhões da Odebrecht como contrapartida ao favorecimento da empresa na licitação da PR-323, rodovia no noroeste do Paraná.
O argumento da defesa de Richa, acolhido pelo STJ, é o de que as acusações se referem apenas à prática de caixa 2, o que compete à Justiça Eleitoral julgar.

Vereador e mais seis vão responder por suposto desvio de verbas da Câmara de São Jerônimo da Serra

O juiz Alexandre Afonso Knakiewicz, da Vara Criminal de São Jerônimo da Serra (Norte Pioneiro), acatou a denúncia de peculato (quando o funcionário apropria-se de dinheiro ou valor em razão do cargo), falsidade ideológica e associação criminosa, além de outros crimes, contra o vereador Gilmar Rocha e mais seis pessoas, dentre contadores e uma servidora comissionada da Câmara Municipal. Todos são acusados do Ministério Público de utilizarem recursos do Legislativo para a realização de serviços particulares. 

Para o promotor Danilo Leme, os possíveis abusos ocorriam pelo uso indevido de senhas dos funcionários para movimentação da conta bancária da Câmara de São Jerônimo da Serra. Conforme a denúncia, Gilmar Rocha contratou uma empresa contábil de Gilmar Corrêa, outro denunciado no processo. Junto com outro sócio, eles determinavam que os contadores ocultassem detalhes dos repasses financeiros dos relatórios. 

O MP suspeita que as irregularidades tenham acontecido entre janeiro de 2017 e maio deste ano, totalizando um desvio de R$ 59 mil. Para se ter uma ideia, a investigação descobriu que uma das transferências, orçada em R$ 230, teria pago a instalação de uma antena parabólica na casa de Rocha. Em outro caso, uma nota fiscal teria sido emitida para a venda de um CPU e manutenção de uma impressora pertecente à Câmara, mas os serviços de R$ 280 não foram prestados. 

Assim que soube da deflagração da Rei de Paus, como a operação realizada em conjunto com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) foi batizada, Gilmar Rocha teria realizado reuniões com outros vereadores para tentar despistar os olhos do MP. Ele e os seis réus têm 10 dias para questionar as acusações na Justiça. Todos respondem em liberdade. 

A apuração forçou o novo presidente da Câmara de São Jerônimo da Serra, Josias Bueno Ribeiro, a rescindir o contrato G.C. Escritório Contábil, de Gilmar Corrêa. O contrato foi rompido no início de junho.
Rafael Machado
Grupo Folha

terça-feira, 19 de junho de 2018

STF absolve Gleisi de acusação de propina na Lava Jato

Em julgamento nesta terça-feira (19), a 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu absolver por unanimidade a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo (PT), da acusação apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em processo ligado à Operação Lava Jato.
Eles foram denunciados sob a acusação de terem recebido R$ 1 milhão em propina do esquema de corrupção na Petrobras. O dinheiro teria sido empregado na campanha de Gleisi ao Senado em 2010. A denúncia afirma que o valor foi liberado pelo então diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, com o objetivo de conseguir apoio político para sua manutenção no cargo.
Depois de cerca de 8 horas de julgamento, os ministros entenderam que não há provas contra a senadora e o ex-ministro das suspeitas levantadas pela acusação.

Aneel autoriza e Copel vai reajustar a conta de luz em 15,99%

Os consumidores atendidos pela Copel Distribuição terão as tarifas reajustadas a partir do dia 24 de junho. Os novos percentuais foram aprovados nesta terça-feira (19) pela Diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)  durante reunião pública.
O reajuste médio é de 15,99% .Para os consumidores industriais, atendidos em alta tensão, o aumento será de 17,55% e para os consumidores residenciais e comerciais, atendidos em baixa tensão, o reajuste médio será de 15,13%.
Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência informou que considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais.
A Copel atende aproximadamente 4,5 milhões de unidades consumidoras localizadas no estado do Paraná.

terça-feira, 12 de junho de 2018

Justiça bloqueio bens de prefeito por destinar lotes do Município a particulares

Foto Divulgação
Atendendo pedido formulado pela Promotoria de Justiça de São João do Ivaí (Norte-Central paranaense), o juízo da Vara da Fazenda Pública da comarca decretou a indisponibilidade de bens do atual prefeito e de outros sete réus acusados da prática de atos de improbidade administrativa que causaram prejuízo ao erário.
De acordo com ação civil pública ajuizada pela Promotoria de Justiça da comarca, o prefeito “desafetou” imóveis transferidos ao domínio do Município por empresas loteadoras e que deveriam ser destinados para a construção de áreas verdes e áreas institucionais. Após a desafetação (ato pelo qual o poder público torna um bem público apropriável), o prefeito desmembrou os imóveis em lotes e os alienou para particulares.
Além da ilegalidade consistente na desafetação e alienação de imóveis onde deveriam ser implantadas áreas verdes e equipamentos comunitários, o Ministério Público também apurou que os lotes foram alienados por valores inferiores ao valor de mercado. Ademais, constatou ilegalidades no procedimento licitatório, tal como a adoção de modalidade de licitação diversa da prevista em lei, bem como ofensa à moralidade administrativa, já que os particulares que adquiriram os terrenos possuem vínculo de parentesco com o prefeito e o pregoeiro.
São réus na ação, além do prefeito, os quatro membros da comissão de avaliação dos imóveis e três pessoas que foram beneficiadas com a aquisição dos terrenos por valores inferiores aos de mercado. Os valores bloqueados variam, conforme o réu, de R$ 18.645,93 a R$ 242.397,24.
MPPR

Com informações: tarobanews.com

Prefeito de Cornélio Procópio tem bens bloqueados pela justiça

A justiça determinou o bloqueio de bens do prefeito de Cornélio Procópio Amin José Hannouche, do ex-prefeito Frederico Carlos de Carvalho Alves e dos sócios da rádio Graúna FM Allysson Kalil cordeiro e José Leite Cordeiro. A medida atente pedido do ministério público em um processo que apura a contratação da rádio para shows no município.
A liminar determina o bloqueio de aproximadamente 425 mil reais, que correspondem aos contratos firmados entre o município e a rádio. A promotoria questiona a contratação da empresa sem licitação feita pelo ex-prefeito em 2015, na gestão de Frederico e 2017, na gestão de Amin.
A rádio e os sócios são considerados beneficiários de um suposto ato de improbidade. Segundo o MP o contrato não tinha os pré-requisitos mínimos para dispensa de licitação. Na defesa, o município apontou que os valores foram usados para cobrir despesas dos artistas, que não teriam cobrado cachê. Nessa decisão, além do bloqueio de bens, a justiça pede a condenação dos réus e a suspensão dos direitos políticos dos envolvidos, além da nulidade dos contratos entre o município e a prefeitura de Cornélio Procópio e a rádio.

Com Informações: tarobanews.com

Prefeito Ricardo Mello entrega duas VAN zero quilômetros para o município de São Jerônimo da Serra

Nesta segunda feira (11) o prefeito de São Jerônimo da Serra, João Ricardo de Mello entregou duas Van com 15 lugares zero quilometro para a Secretaria Municipal de Saúde com recurso da Secretaria de Saúde do Estado da Saúde através do (APSUS) - Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, veiculo esse que será utilizado para o transporte de pacientes dos distritos de Terra Nova e São João do Pinhal, que fazem tratamento médico em outros municípios, trazendo mais conforto e segurança a esses pacientes. 

De acordo com o o chefe de gabinete Franco Mello "o prefeito Ricardo tem a convicção que os pacientes dos distrito tem o direito de ser devidamente transportados com conforto e qualidade ,e também jé está em andamento a licitação de mais quatro 4 veículos novos sendo um para o bairro da Vila Nova do Pote.

Moro abre mão de processo da 48ª fase da Lava Jato que apura irregularidades em pedágio do Paraná

Pela primeira vez, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, abriu mão de julgar um processo da Lava Jato. Na segunda-feira (11), ele declarou a não competência para julgar a ação penal oriunda da 48ª fase da operação.

O processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba, sob responsabilidade do juiz Paulo Sergio Ribeiro. A mudança, de acordo com Moro, não anula as decisões já tomadas. Batizada de Integração, a etapa apura se uma concessionária de pedágio do Paraná pagou propina a agentes públicos.

No despacho, Moro alegou que, apesar das conexões, a ação penal não tem qualquer ligação com a Petrobras ou com o Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. Afirmou, ainda, estar sobrecarregado. O Ministério Público Federal (MPF) não quis se manifestar a respeito.

Advogados de investigados chegaram a questionar a competência de Moro. À época, o MPF manifestou-se pela improcedência - ou seja, avaliou que o caso deveria ficar com o juiz.

48ª fase

Em fevereiro deste ano, seis pessoas foram presas na 48ª fase da Lava Jato. Entre elas, o ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR) Nelson Leal Junior. À época, a sede do governo estadual foi alvo de mandado de busca e apreensão.

A investigação começou na Justiça Federal de Jacarezinho, na região norte do Paraná, que preferiu encaminhar os autos a uma das varas especializadas em lavagem de dinheiro, a de Moro. "Foi da iniciativa daquele Juízo remeter os processos para a Justiça Federal de Curitiba, no que agiu acertadamente ao verificar a presença de indícios de crimes de lavagem e que, a confirmar a hipótese de investigação, foram depois objeto da denúncia", escreveu o juiz federal no despacho.

Moro disse ter assumido a ação penal ao notar “pontos de conexões" entre a investigação e o que já foi revelado na Operação Lava Jato - como a participação dos operadores Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran. "Por este motivo, este Juízo acolheu a competência por prevenção", declarou o juiz federal.

Moro verificou, porém, que o processo oriundo da 48ª fase não tem como objeto "acertos de corrupção em contratos da Petrobrás" ou "crimes praticados no âmbito do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht". Por isso, o juiz federal sugeriu a redistribuição da ação penal. Para ele, a separação não geraria grandes dificuldades para o processo e julgamento".

Discussão no TRF4

As defesas de pelo menos dois investigados na 48ª fase chegaram a questionar o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) sobre a competência de Moro para julgar o caso.O relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, porém, foi voto vencido ao reconhecer que o inquérito originário não apresentava relação com a estatal. Moro recomendou, no despacho, "que se prestigie a posição avançada pelo relator".

Durante a sua argumentação, Moro também falou sobre estar sobrecarregado. "Outra questão diz respeito à sobrecarga deste Juízo com as persistentes apurações de crimes relacionados a contratos da Petrobrás e ao Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht", escreveu.

De acordo com ele, o "número de casos é elevado, bem como a complexidade de cada um, gerando natural dificuldades para processamento em tempo razoável".


Por Alana Fonseca e Aline Pavanelli, G1 PR, Curitiba

Em Sapopema criança de 4 anos relada ter sido vítima de estupro enquanto brincava

Ontem, segunda-feira, 11, na Rua João Carneiro de Melo, no Jardim Novo Horizonte, por volta das 13h50min compareceu na delegacia de polícia de Sapopema, uma mãe relatando que no dia 10 deste mês, sua filha de apenas 4 anos havia sido vítima de um possível abuso sexual, a filha da vítima estava na residência dos fundos brincando com duas crianças, uma de nove anos e outra de cinco anos, devido ao horário chamou sua filha para ir embora, momento que a mãe das outras crianças, disse ” ela vai ficar brincando aqui, vai jantar primeiro”. 

Cerca de trinta minutos depois, sua filha chegou na residência, chorando e sua mãe perguntou o que havia acontecido, a criança disse que haviam tirado suas calças. Assim, foi até a residência, para perguntar sobre o acontecimento, momento que a proprietária disse que somente as crianças estavam brincando, quando a criança de cinco anos, disse que a outra havia passado “Pomada” apontando um plástico contendo graxa, além de dizer que ela havia introduzido o dedo nas partes íntimas da menina. 

Neste momento também compareceu um indivíduo convivente da proprietária da residência, o qual diante da situação veio para cima da mãe pegando em seu pescoço e empurrando-a em direção a um vidro, causando lesão em sua mão direita, necessitando diversos pontos. Sendo assim, nesta data(11), compareceu ao conselho tutelar e ao hospital municipal da cidade de Sapopema-PR, para que fosse averiguado a situação da criança e tomados os devidos procedimentos, pois encontra-se abalada psicologicamente pelos fatos. 

Após o atendimento com o médico, foi possível constatar uma vermelhidão nas partes íntimas da criança, mas não sendo possível verificar se de fato havia ocorrido alguma forma de abuso. Sendo assim, foi entregue o laudo de lesões corporais e orientada a mãe na presença do conselho tutelar, quanto aos procedimentos cabíveis.


Com informações 26BPM
Redação Portal Curiúva

terça-feira, 5 de junho de 2018

Petrobras reduz preço da gasolina em 0,68%, diesel segue em R$ 2,0316

A Petrobras anunciou que, com o reajuste que entra em vigor nesta terça-feira, 5, o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias é de R$ 1,9976, com queda de 0,68% em relação à média anterior de R$ 2,0113.
O diesel, por sua vez, está sendo vendido desde a sexta-feira, dia 1º, a R$ 2,0316 por litro nas refinarias, já incorporando o desconto de R$ 0,30 permitido pelo programa de subvenção criado pelo governo para encerrar a greve dos caminhoneiros.
O combustível ainda teve uma redução adicional de R$ 0,16 em decorrência da isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e da redução de PIS/Cofins do combustível.

Osmar e Requião oficializam acordo e pregam a reconstrução do Paraná

Osmar Dias, candidato ao Governo do Estado pelo PDT e o senador Roberto Requião, do MDB, selaram acordo ontem ( 04), durante evento, em Curitiba, comemorativo ao 42º aniversário do deputado federal, João Arruda, também do MDB, na presença de mais de 40 prefeitos do interior do Estado e perto de 700 pessoas. Ao motivar a coligação, João Arruda disse que, a partir de agora, as eleições para governador no Paraná tomará um novo rumo, levando Osmar Dias à vitória e à recuperação de um Estado castigado pelas ações equivocadas do governo anterior e do atual. “Todos aqui presentes sabem que meu voto é para Osmar Dias e vou trabalhar para que ele seja eleito o governador do nosso Estado”, disse.
Osmar Dias fez duras críticas à gestão de Beto Richa, afirmando que o então governador colocou o Paraná na beira do abismo, com uma gestão voltada à contratação de pessoal sem qualificação citando, como exemplo, o caso do jornalista Deonilson Roldo que assumiu cargo de um técnico na Copel e ganhava perto de R$ 100 mil, com cargos de conselheiro em várias estatais. O candidato pedetista sustentou que não fará coligações com partidos que buscam o Fundo Partidário e que está preparado e disposto a resolver os graves problemas que o Paraná enfrenta, a começar por 500 mil desempregados.
Roberto Requião também foi duro em sua fala, destacando os prejuízos que a Sanepar vem causando ao povo paranaense, com reajustes que somam mais de 140% por imposição dos sócios da empresa. “Não quero nada mais nada menos do entre 30 a 40 anos de prisão para Beto Richa, que acabou com nosso Estado”, fulminou Requião, confirmando a coligação com Osmar Dias. O deputado Nereu Moura, do MDB, falou em nome dos deputados presentes, inclusive de Luiz Cláudio Romanelli, do PSB, e pediu votos para Osmar Dias.
Antes, o deputado João Arruda entregou em primeira mão ao presidente da Associação dos Municípios do Paraná, Frank Schiavini, relatório sobre o novo projeto de lei das licitações, do qual é relator, onde os prefeitos, enfim, poderão ter uma gestão sem medo e respaldados pela justiça. “Com a nova lei das licitações, o gestor municipal, que muitas vezes é penalizado pela ação de empresas que prometem a realização de obras e não cumprem, terá agora respaldo e terá ferramentas eletrônicas que lhe darão garantias na contratação de obras e serviços, bem como na administração de pessoal e equipamentos”, disse Arruda.

Com informações: www.tarobanews.com

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Boca Aberta é condenado a 8 meses de prisão por difamar Kireeff

Fotos: CML/Divulgação
O ex-vereador Emerson Petriv, conhecido como Boca Aberta, foi condenado a 8 meses e 27 dias de prisão por crimes de difamação e injúria contra o ex-prefeito Alexandre Kireeff. A pena poderá ser cumprida em regime semiaberto. No entendimento da Justiça, em novembro de 2013, Petriv publicou 4 vídeos nas redes sociais em que chamava Kireeff de "prefeitinho cueca de seda" e "prefeitinho bunda mole". 
De acordo com a decisão da juiza Deborah Penna publicada em 28 de maio de 2018, Boca Aberta também ofendeu Kireeff ao dizer que ele "aplicou estelionato na minha, na sua, na nossa cabeça" e que “eu mudei o nome do prefeito, não é mais Kireeff, agora é KIBLEEFF”. 
À reportagem do TarobáNews, Petriv admitiu ter utilizado alguns dos adjetivos que constam do processo, mas afirmou que se sente perseguido pelo Judiciário londrinense. "Bateu processo com meu nome no judiciário londrinense, eu já estou praticamente condenado. Infelizmente Judiciário local é totalmente parcial, só favorece quem tem melhor condição social", afirmou o ex-vereador, que irá recorrer da decisão. 

Com informações: tarobanews.com/

MP denuncia vereador e mais seis por desvio de verbas de Câmara de São Jerônimo da Serra

O Ministério Público de São Jerônimo da Serra, no Norte Pioneiro, ofereceu denúncia contra o presidente afastado da Câmara Municipal da cidade, Gilmar Rocha, e mais seis pessoas, dentre contadores e uma servidora comissionada do Legislativo, por associação criminosa, peculato (quando o funcionário público apropria-se de dinheiro ou valor em razão do cargo) e falsidade ideológica, além de outros crimes, em virtude da Operação Rei de Paus, que investiga a suposta realização de serviços particulares com verbas da Câmara de Vereadores do município. 

Por causa da apuração, deflagrada no final de maio com apoio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) de Londrina e Ponta Grossa para cumprimento de mandados de busca e apreensão, Rocha foi afastado da presidência do Legislativo local. Ele chegou a ser preso em flagrante por posse irregular de munições de armas de fogo. Ele e os dois sócios da empresa contábil contratada pela Câmara foram proibidos pela Justiça de acessar prédios públicos, além de outras medidas cautelares. 

Como ocupava a função máxima na Casa, Gilmar Rocha tinha as senhas para movimentar a conta bancária do órgão. Segundo o promotor Danilo Leme, que fez a denúncia, o outro acesso era de responsabilidade do vereador Ivan Cordeiro, que, por morar em um distrito de São Jerônimo da Serra, teria repassado a permissão eletrônica aos contadores e Rocha. Os profissionais contratados pela Câmara foram incumbidos de dar legalidade aos desvios, ocultando assim detalhes da movimentações financeiras nos relatórios contábeis. 

Conforme o MP, a dupla agiu em consenso com Gilmar Rocha para praticar as irregularidades, que teriam acontecido entre janeiro de 2017 e maio deste ano. Assim que a investigação foi iniciada, o presidente afastado da Câmara teria realizado reuniões com outros parlamentares para "cobrir os valores" desviados. A denúncia narra que a primeira transferência bancária indevida, orçada em R$ 230, foi usada para pagar a instalação de uma antena parabólica na casa de Rocha. 

Outro fato foi a emissão de uma nota fiscal falsa que, em tese, comprovava a venda de um CPU e manutenção de uma impressora pertencente à Câmara de São Jerônimo da Serra. Os serviços de R$ 280, no entanto, não foram prestados. As situações se sucederam por pelo menos 17 vezes, totalizando um desvio de mais de R$ 59 mil dos cofres públicos. O Ministério Público constatou que o presidente da Câmara recebia o salário dobrado. Os contadores envolvidos no possível esquema agendavam o pagamento dos servidores e vereadores, mas não cancelavam a marcação prévia. 

O promotor Danilo Leme atestou ainda mais desvios entre novembro do ano passado e maio de 2018. Segundo as investigações, Gilmar Rocha teria recebido quase R$ 8 mil da Câmara, mas este direcionamento contábil não era formalizado em notas de empenho ou qualquer outro documento que comprovasse a movimentação. Os sete denunciados não haviam constituído advogados.
Rafael Machado
Grupo Folha

sábado, 2 de junho de 2018

Petrobras aumenta preço da gasolina em 2,25% nas refinarias

elevação de 2,25% no preço da gasolina comercializada nas refinarias. Com a alta, o litro da gasolina A nas refinarias passará de R$ 1,9671 para R$ 2,0113, a partir deste sábado (2), segundo informou a companhia. Trata-se da 2ª alta seguida após uma sequência de 5 quedas.

Na quarta-feira, a estatal havia anunciado aumento de 0,74% no preço da gasolina. Na terça-feira, os preços tinham sido reduzidos em 2,84%. Desde o início de maio, já foram anunciadas 14 altas e 6 quedas no preço da gasolina. Em 1 mês, o combustível acumula alta de 11,29% nas refinarias

Já o preço do diesel seguirá em R$ 2,0316 o litro nas refinarias até o dia 7 de junho, conforme ficou estabelecido pelo programa de subvenção ao combustível anunciado pelo governo, que prevê redução de R$ 0,46 no preço do diesel por 60 dias. Com a redução, o preço do combustível recuou 2,69% na comparação com o início de maio.

O repasse dos preços cobrados nas refinarias para as bombas depende das distribuidoras e dos donos dos postos. Nas últimas semanas, os cortes anunciados pela Petrobras não foram sentidos pelos consumidores, em meio à crise de abastecimento provocada pelos protestos dos caminhoneiros.