Pesquisar

sábado, 30 de novembro de 2019

TJ-PR revoga prisão de prefeito de São Jerônimo da Serra


A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) revogou, na quinta-feira (28), a prisão do prefeito de São Jerônimo da Serra, no Norte Pioneiro do Paraná, João Ricardo de Mello (PPS).

Na decisão assinada pelo desembargador Laertes Ferreira Gomes, Mello será monitorado por tornozeleira eletrônica.

O prefeito foi preso no dia 16 de outubro durante a deflagração da Operação De Jà Vú, que investiga um esquema para fraudar licitações municipais. Segundo as investigações, a prefeitura adquiriu uma quantidade de produtos acima do necessário ou itens desnecessários, sobretaxou os valores ou simplesmente fez licitação para justificar a aquisição ilegal de produtos.

Na época da ação, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) disse que as irregularidades só ocorriam com anuência de João Ricardo de Mello.

No início de novembro, o prefeito foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por organização criminosa e 53 crimes de responsabilidade, por apropriação de dinheiro público.

O chefe do Executivo Municipal estava preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais. No mesmo dia da prisão, a Justiça determinou que ele fosse afastado do cargo por tempo indeterminado.

Conforme decisão da 2ª Vara Criminal, Mello deverá comparecer em juízo a cada 15 dias, está proibido de entrar na prefeitura e de manter contato com os investigados na operação, deve ficar em casa durante a noite e será monitorado por tornozeleira eletrônica. Ainda foi determinado o pagamento de R$ 9.980 de fiança.

O advogado Maurício Carneiro, que defende João Ricardo de Mello, disse que durante o julgamento do recurso foram apresentadas provas que comprovam que o prefeito não tem envolvimento no esquema. "Apresentamos, por exemplo, contas de luz da casa do prefeito que estão atrasadas para mostrar que o ele não tem condições financeiras para pagar as contas básicas. Se estivesse envolvido em algum esquema para desviar dinheiro, a situação seria outra. João de Mello não participou de nenhum esquema criminoso", afirmou que o advogado.

Do G1Pr

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

PREFEITO DE SÃO JERÔNIMO DA SERRA RICARDO MELLO FOI SOLTO NESTA QUINTA FEIRA

O PREFEITO DE SÃO JERÔNIMO DA SERRA, JOÃO RICARDO DE MELLO FOI SOLTO NA TARDE DESTA QUINTA FEIRA 28/11, O MESMO HAVIA SIDO PRESO NO DIA 16 DE OUTUBRO NA OPERAÇÃO "Dejá Vú", REALIZADA NO PELO GAECO NO MUNICÍPIO. SEGUNDO INFORMAÇÕES DE FAMILIAR RICARDO JÁ ESTA A CAMINHO DE DE SÃO JERÔNIMO DA SERRA E DEVERÁ CHEGAR ESTA NOITE DEPOIS DE 43 DIAS PRESO......

MAIS INFORMAÇÕES A QUALQUER MOMENTO 

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Apreensões de armas disparam em São Jerônimo da Serra

As polícias Civil e Militar do Paraná apreenderam 4.670 armas de fogo durante os nove primeiros meses deste ano, de acordo com relatório do Centro de Análise, Planejamento e Estatística, da Secretaria da Segurança Pública do Paraná. Dos 399 municípios paranaenses, 173 (43%) tiveram aumento no número de apreensões de armas se comparado janeiro a setembro deste ano com o mesmo período do ano anterior.
O maior número de apreensões de armas de fogo se concentra em Curitiba (458 armas), seguido por Foz do Iguaçu (184), Cascavel (178), Londrina (142), Ponta Grossa (127), Guarapuava (148) e São José dos Pinhais (98). Para o secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, o grande número de apreensões é resultado do trabalho integrado desempenhado pelas forças policiais estaduais no combate ao crime.
“Quando apreendemos uma arma de fogo, evitamos que seja utilizada em outro crime, o que fez reduzir os índices de roubos e homicídios no Estado, por exemplo, neste ano”, disse ele. “E a melhor maneira de tirarmos armas das mãos dos criminosos é por meio da atividade policial e a partir de denúncias”.
Dos 173 municípios que tiveram aumento no número de apreensões de armas de janeiro a setembro deste ano, os números mais expressivos foram Castro (116%), Arapongas (130%), São Jerônimo da Serra (157%). Além destes, Campina da Lagoa, que no ano anterior tinha registrado a apreensão de quatro armas de fogo, este ano apreenderam 21.
Em Japurá, município da região Noroeste do Paraná, em uma única ocorrência, em julho deste ano, foram apreendidas 21 armas. A ação foi possível após uma denúncia anônima para a Polícia Militar, o que resultou em um aumento no número de apreensões (foram 2 armas de janeiro a setembro de 2018 e 23 no mesmo período deste ano).
POLICIAMENTO - O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Péricles de Matos, atribui o alto índice de apreensão de armas de fogo ao maior policiamento nas ruas, aumento no número de operações realizadas e também a ações prévias e de inteligência das polícias.
“Antes das operações nós desenvolvemos um intenso trabalho de inteligência policial, a qual aponta que certas pessoas daquela região frequentam um determinado local, numa determinada hora. Efetuamos a prisão, e junto com a atividade delituosa vem a arma”, esclareceu.
“O importante para a população é que cada arma, ao ser apreendida, evitará um crime futuro. Quando nós retiramos uma arma de circulação é menos um estupro, menos um ou dois homicídios, ou menos dois ou três roubos, que poderiam ser cometidos com aquela arma de fogo”, completa o comandante-geral.

TIPOS - Dentre as armas mais apreendidas no Estado estão o revólver (1.918), a espingarda (1.190), a pistola (940), a garrucha (268), a carabina (173), o rifle (68), o garruchão (43), o pistolete (23), o fuzil (15) a metralhadora (12) e a escopeta (18).

O delegado-geral adjunto da Polícia Civil, Riad Braga Farhat, ressalta que a apreensão de armas colabora para a inibição de mais crimes. “Dentro dos 60 mil homicídios do país, a maioria é cometida por arma de fogo. Então, cada arma que as polícias civis, militares, federal e guardas municipais tiram de circulação, da mão de traficantes, assaltantes, ou mesmo de pessoas que não tem autorização para estar armadas, é um ganho para a sociedade”, afirma.
Para denunciar o tráfico de armas, como outros crimes, de maneira totalmente anônima, o cidadão pode ligar para o Disque Denúncia 181. “Nós garantimos o seu anonimato, ajude as polícias a combater o crime organizado e evitar, principalmente, homicídios”, ressaltou o secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho.
AEN